Vitiligo: saiba mais sobre ele

Vitiligo: saiba mais sobre ele

Uma das maiores características do vitiligo é a perda da coloração da pele. Esta particularidade é provocada pela redução ou pela ausência de melanócitos, células responsáveis pela formação da melanina, nos locais afetados. A melanina, por sua vez, é o pigmento que confere cor à pele.

De modo geral, as lesões cutâneas, visíveis como manchas brancas, possuem tamanho variável e uma distribuição característica. O vitiligo não é uma doença contagiosa e não prejudica a saúde física do paciente. O profissional mais indicado para definir o diagnóstico e sugerir tratamentos é o dermatologista.

 

O que causa o vitiligo?

As causas desta doença ainda não são definidas. No entanto, parece haver relação entre o surgimento do vitiligo e fenômenos autoimunes. Também é possível que estresse e traumas emocionais estejam associados à doença. O histórico familiar também é um fator relevante, visto que cerca de 30% dos pacientes possuem algum parentesco com portadores da doença.

 

 Quais são os sintomas?

Na maioria dos casos, os sintomas se resumem ao surgimento de manchas brancas na pele. Essas manchas são assintomáticas, porém alguns pacientes relatam uma discreta sensibilidade nas manchas. Apesar disso, os sintomas emocionais que podem ocorrer como resposta à doença são os mais preocupantes. Muitas vezes a doença se inicia após algum quadro de comprometimento emocional, como uma perda física ou emocional importantes.

 

Como é classificado o vitiligo?

Uma vez detectada, a doença pode ser classificada como segmentar (unilateral) ou não segmentar (bilateral). Os primeiros surgem em apenas uma parte do corpo e, normalmente ainda durante a juventude do paciente. Pode acontecer perda de coloração de pelos e cabelos.

Já o não segmentar ou bilateral é o tipo mais comum. Ele ocorre nos dois lados do corpo e as manchas tendem a surgir em regiões como nariz, boca, mãos e pés. Durante toda a vida do paciente, os períodos de perda de cor são intercalados com momentos de estagnação da doença. As áreas despigmentadas podem se tornar maiores com o passar do tempo, mas isso não é uma regra. Existem casos também de remissão espontânea das manchas principalmente nos quadros menos extensos

 

 Como deve ser feito o diagnóstico?

Este diagnóstico é essencialmente clínico, já que as manchas costumam ter localização e distribuição características. A biópsia cutânea ajuda a confirmar o diagnóstico clínico, atestando a ausência completa de melanócitos nas zonas afetadas.
Da mesma forma, as análises sanguíneas são aliadas neste processo, pois podem revelar a presença de doenças autoimune ou da tireoide.

 

Como é o tratamento do vitiligo?

Apesar de não haver um tratamento específico, existem diversas opções terapêuticas para o vitiligo. No entanto, elas variam de acordo com o quadro clínico de cada paciente.
Os tratamentos convencionais costumam ter longa duração e preveem uso de pomadas à base de corticoides e loções. A fototerapia, ou a exposição ao sol com uso de substâncias fotossensibilizantes, também pode ser indicada de acordo com a orientação médica.
Além do tratamento das lesões provocadas pela doença, é recomendado manter também um acompanhamento psicológico. Este é um aspecto importante pois fatores emocionais podem agravar tanto o surgimento quanto o desenvolvimento das lesões.

 

Quais são as recomendações para quem tem vitiligo?

É preciso ter cuidados com a exposição aos raios solares, especialmente entre 10h e 16h. Os banhos de sol devem durar períodos curtos, sempre com aplicação prévia de protetor solar e fora do horário de incidência mais forte.